COMPETÊNCIAS E HABILIDADES



Baseada na Lei nº 9131 de 25 de novembro de 1995 e na Resolução CNE/CES 3, de 19 de Fevereiro de 2002, que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia, a formação do Cirurgião Dentista tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes Competências e Habilidades Gerais e Específicas:

Atenção à saúde: os profissionais de saúde, dentro de seu âmbito profissional, devem estar aptos a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo. Cada profissional deve assegurar que sua prática seja realizada de forma integrada e continua com as demais instâncias do sistema de saúde, sendo capaz de pensar criticamente, de analisar os problemas da sociedade e de procurar solução para os mesmos.

Tomada de decisões: o trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado, eficácia e custo-efetividade, da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Para este fim, os mesmos devem possuir habilidades para avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas.

Comunicação: os profissionais de saúde devem ser acessíveis e devem manter a confidencialidade das informações a eles confiadas, na interação com outros profissionais de saúde e o público em geral. A comunicação envolve comunicação verbal, não verbal e habilidade de escrita e leitura; o domínio de pelo menos uma língua estrangeira e de tecnologias de comunicação e informação.

Liderança: no trabalho em equipe multiprofissional, os profissionais de saúde deverão estar aptos a assumirem posições de liderança, sempre tendo em vista o bem estar da comunidade. A liderança envolve compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz;

Administração e gerenciamento: os profissionais devem estar aptos a fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem empreendedores, gestores, empregadores ou lideranças na equipe de saúde; e Educação permanente: os profissionais devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Desta forma, os profissionais de saúde devem aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua educação e o treinamento/estágios das futuras gerações de profissionais, mas proporcionando condições para que haja benefício mútuo entre os futuros profissionais e os profissionais dos serviços.


Considerando estas competências e habilidades, de maneira prática, o cirurgião-dentista formado na UNICEP, deve ter:


  • capacitação técnico-científica para atender os diferentes níveis de atenção à saúde da população, propiciada pelo fortalecimento das interações entre as disciplinas básicas e profissionalizantes;

  • capacitação para atuar na comunidade, adequando seus conhecimentos acadêmicos à população e às condições do local onde irá exercer sua atividade;

  • desenvolvimento, de forma integrada com as demais instâncias do sistema de saúde, de ações capazes de diagnosticar, tratar, prevenir e reabilitar os problemas de saúde bucal da comunidade;

  • capacitação para assumir posições de liderança com compromisso e responsabilidade, visando o bem estar da comunidade;

  • capacitação para gerenciar, administrar, ser empreendedor, gestor e empregador;

  • capacitação para a realização dos procedimentos odontológicos de acordo com altos padrões de qualidade, tanto em nível individual quanto coletivo;

  • incorporação de ações condizentes com os princípios ético-legais da profissão e no respeito e valorização do ser humano, conscientizando de seu papel como profissional-cidadão;

  • conscientização da filosofia do curso em que se encontra inserido;

  • conscientização da necessidade constante de atualização de conhecimentos e aperfeiçoamento profissional;

  • capacitação ao exercício da investigação científica para avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, visando a eficácia de procedimentos;

  • habilidades de comunicação com o público e outros profissionais; de leitura e escrita; e de, no mínimo, a compreensão de uma língua estrangeira;

  • habilidades de incorporar inovações tecnológicas, como informática, novos materiais e biotecnologia, no exercício da profissão.