Arquitetura e Urbanismo da UNICEP realizou o V Simpósio com muita prática

A quinta edição do Simpósio Continuado de Arquitetura e Urbanismo da UNICEP, que aconteceu de 26 a 29 de março, reuniu os estudantes de todos os períodos para diversas atividades teóricas e práticas.

A abertura do evento teve como palestrante, a professora doutora do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - São Carlos (IAU-USP), Simone Vizioli, que discursou sobre “O desenho no processo projetivo arquitetônico”.“Vim conversar justamente, sobre desenho, área que atuo, tanto o analógico quanto o digital e, principalmente, sobre a importância do feito à mão, que faz com que o profissional expresse o mundo com a sua visão pessoal e isso é algo que nunca vai morrer”, disse Vizioli, ressaltando que e a percepção, cognação, o saber olhar e entender são primordiais para um arquiteto poder se expressar.

E foi o que aconteceu nos outros dias de Simpósio, através das oficinas de desenho, modelo e construção. Os estudantes puderam se expressar desenhando projetos e desenvolvendo maquetes que foram entregues no último dia.

Willi Matheus é estudante do 5º período e levou um projeto de cadeira em forma de maquete. Essa cadeira foi apresentada em formato real pelos docentes aos estudantes que puderam observá-la, desenhá-la e desenvolver uma maquete. “O que mais achei importante no Simpósio deste ano foi a interação que tivemos com os outros estudantes recém-chegados que puderam, junto com a gente, desenvolver projetos nas máquinas, utilizando a lixadeira, serra, entre outros disponíveis no Laboratório de Maqueteria da UNICEP”, falou.

A tecnologia de impressão 3D veio para inovar o modo de criar e construir modelos personalizados de forma precisa e eficiente e, a sua impressão, funciona através da deposição de material, camada por camada, até a geração do modelo impresso. Isso tudo foi dito pelo profissional da AJ 3D Printer, Aníbal Pereira Junior, que também é ex-aluno da UNICEP. Ele apresentou uma impressora 3D e explicou seu funcionamento e importância na arquitetura. “Essa impressora trabalha com impressões em formas plásticas, que derrete em alta temperatura. Na arquitetura, por exemplo, pode-se usar de diversas maneiras como representatividade do modelo em pequena escala, como uma espécie de um mobiliário, por exemplo”, disse Junior. Ter o contato com a impressora 3D ainda durante o curso, segundo ele, para os estudantes é de extrema importância, pois trata-se da materialização do projeto. “Você tem a criatividade, o virtual e, enfim, objeto final “, finalizou.

Veja como foi a programação do Simpósio!

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Compartilhe