Psicologia da UNICEP recebe uma vez por mês membro do SBPRP

Uma vez por mês os estudantes do curso de Psicologia da UNICEP recebem um psicanalista membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto (SBPRP) para trabalhar dentro de um caso da Clínica de Psicologia da UNICEP. O projeto é uma parceria entre a UNICEP e a SBPRP.

No dia 01 de abril, Maria Cristina Di Lollo, membro filiado a SBPRP, coordenou o encontro mensal para discussão clínica com os estudantes de psicologia. E no dia 06 de maio, foi a vez de Maruzza Tereza Cerchi Borges, representando a diretoria regional do SBPRP.

Ter mais conhecimento em psicanálise é o objetivo do projeto que permite que o estudante compare a prática com a teoria. O docente da UNICEP, Prof. Ms. Rafael Diniz de Lima e Silvana Mara Lopes Andrade, membro da comissão da Diretoria Regional da SBPRP, são os responsáveis pelo projeto.

Que também conta com o apoio da Coordenadora do curso de Psicologia da UNICEP, Edna Aparecida Cursino Silveira, da Diretora Regional da SBPRP, Maruzza Tereza Cerchi Borges, da Comissão da Diretoria Regional, Ana Lúcia dos Santos, Ana Regina Morandini Caldeira, Ana Valéria Guelli Ribeiro, Andréa Ciciarelli Pereira Lima, Carla Cristina Pierre Belodi, Débora Agel Mellen, Luz Dalma de Maio Barbosa Vieira, Maria Luiza Crisóstomo Piantino, Patrícia Izilda Bolfe e dos membros da SBPRP, Cláudia Fernanda Bianchi e Maria Cristina Di Lollo.

De acordo com a Diretora Regional da SBPRP: “O exercício do pensar clínico, seja ele, vivenciado por meio da atividade de supervisão ou por meio da atividade de seminários clínicos, possui uma atmosfera única. Em suas nascentes esse aspecto fica ainda mais potencializado. O projeto da Diretoria Regional com a UNICEP, a meu ver, promove a construção de pontes necessárias e, de certa forma urgentes de interlocução. O projeto promove fundamentalmente um espaço em que o pensar coletivo com estudantes possa ir se construindo. Neste último encontro pudemos conversar sobre a importância da observação intrapsíquica/ interpsíquica e sobre as micro e macro transformações presentes no transcorrer da sessão. Inspirados, principalmente no pensamento do psicanalista Laertes Moura Ferrão que acreditava ser a observação uma função da personalidade e que, portanto, não poderia ser ensinada, apenas possível de ser desenvolvida pela própria prática da observação. A análise como um processo em marcha que dependeria da progressiva indagação e observação à dois.”.

Já o docente da UNCEP explicou que dentro dos estágios clínicos, acontecem as supervisões: “Uma vez por mês, recebemos um psicanalista da sociedade de psicanálise para trabalhar com a gente, interagir com os alunos e trazer um pouco da experiência clínica deles, geralmente são profissionais mais experientes e a ideia é realmente ter essa interlocução. Esses profissionais supervisionam um caso, que algum aluno, esteja atendendo na clínica escola.”.

E completou: “Isso ajuda os estudantes na interlocução teoria e prática, porque grande parte dos professores que ministram aulas estão mais focados no mundo acadêmico e trazer profissionais que trabalham na clínica no cotidiano, que ouvem as pessoas, facilita mais o processo de articular teoria e prática, além de servir como inspiração, pois são profissionais muito bem resolvidos na clínica e é bom ter essas fontes de inspiração no começo, para construirmos nosso caminho.”.

Fonte: Instagram da SBPRP - Silvana Mara Lopes Andrade (Membro Associado e integrante da Comissão da Diretoria Regional da SBPRP)

Texto: Ana Lívia Schiavone (Assessora de Imprensa UNICEP)

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Compartilhe